TopoImprimirEsta páginaOutra páginaOutra página
2003

FÁBIO OLIVEIRA NUNES







Livros
Artigos científicos
Artigos jornalísticos


 

Uma internet para os artistas

Fabio Oliveira Nunes (Fabio FON)

 

“Todos os homens se falarão, compreenderão seus idiomas e
quase se tocarão, mesmo estando uns num hemisfério e outros em outro”
.
Leonardo da Vinci (1452-1519)

É indiscutível que a fotografia, desde quando foi inventada, demorou muito para ser encarada como um objeto artístico. Era uma inovação tecnológica para a época, sem dúvida, tão importante quando o advento da tela de pintura a séculos atrás. Não bastou simplesmente inventar um novo meio, foi necessário criar utilizando esse meio. Os artistas – entes com uma vontade híbrida de explorar novas possibilidades e criar imagens que trabalhem com o lado sensível e intelectual do ser humano – sempre viveram em todas as épocas com um objetivo: criar imagens que fossem representativas de sua época ou do meio vivido. A arte possui um papel fundamental no entendimento do pensamento de uma época. Mesmo nos momentos em que a arte desvincula-se da vida, por meio de formas, materiais e temas, o artista dificilmente consegue destituir-se do seu meio e das idéias do seu tempo.

Dentro dos vários campos da arte contemporânea ligada a novas tecnologias, o objeto desta pesquisa é um entre os muitos reflexos de nossa era. Os homens estão cada vez mais comunicáveis, próximos mesmo quando estão distantes. E as fronteiras, a cada dia, estão se tornando mais obsoletas. A lista de invenções que possibilitam tais mudanças é extensa. Tudo começa com o telégrafo, seguindo com o telefone, rádio, televisão, fax, computadores, e todos eles cada dia mais acessíveis, baratos e fáceis de usar. Dentro dessa lista, um deles possui um valor maior quando comparado com todos os outros antecessores, no aspecto de ter assimilado todas as características alheias em si mesmo, constituindo o que chamamos de multimídia.

Um computador – associado às telecomunicações – nos dias de hoje, pode captar ondas de rádio e enviar dados via cabo, comunicando-se com o resto do mundo. E para isso – comunicar-se com o resto do planeta de maneira simples – criou-se a Internet . Até agora a Internet é o maior meio de comunicação em potencial, já que além de ser de caráter mundial, é bem vista comercialmente ao passo que não só divulga produtos como também os vende diretamente.

A grande rede surge no fim da década de 60, por conta da preocupação do departamento de defesa (Darpa) dos Estados Unidos em um ataque nuclear massivo – tempos de Guerra Fria com a ex-União Soviética (URSS). Cria-se, então, uma rede de computadores, inicialmente chamada ARPAnet, descentralizada e super-ramificada, capaz de manter conectados centros de inteligência militar. Em 1985, a rede já estava ligada a outras redes, agora com fins de pesquisa entre universidades americanas e européias. Em 1991, a rede Internet chega ao Brasil, em universidades públicas e em 1994, começam as primeiras tentativas de acesso comercial a Internet.

Militar me limita – Oriunda da Arpanet, rede americana pensada para fins militares, a Internet é constituída de outras redes (públicas, comerciais ou científicas) e possui variados serviços, tais como a World Wide Web (WWW), o E-mail, o Protocolo de Transferência de Arquivos (FTP), o Internet Relax Chat (IRC) e os mensageiros instantâneos (como MSN Messenger) que funcionam dentro de um mesmo protocolo para fluxos de dados. Na imagem acima, temos a sua abrangência em 1980, quando ainda estava sob o mando do departamento de defesa americano. Dois anos mais tarde, ela é aberta para a comunidade acadêmica americana.

A Internet, em poucos anos de popularidade, virou sinônimo de modernidade e avanço tecnológico. Tanto indivíduos quanto empresas, se vêem na necessidade de “plugar-se”, de existir no “ciberespaço” e estabelecer relações por meio do virtual. Como diria Mc Luhan: “Os homens fazem ferramentas; as ferramentas refazem o homem”. Mas ainda, o que temos na Internet é um grande aglomerado de possibilidades e potenciais.

Hoje, pensa-se o que estaria fazendo Leonardo da Vinci, caso vivesse no nosso tempo. Primeiro, é impossível crer que um homem nos dias de hoje pudesse dominar tantos campos do conhecimento – engenharia, artes, arquitetura, medicina entre outras ciências – mesmo sendo o acesso à informação, hoje, muito mais fácil. Pode-se dizer que Leonardo estava não somente no seu tempo, mas estava à frente dele, projetando de Helicópteros a Pontes Móveis, criando obras de arte como o grande ícone “Mona Lisa”, ou a “A última Santa Ceia”. Hoje, certamente, ele estaria explorando as possibilidades das novas tecnologias digitais.

Leonardo antes de tudo foi um artista interdisciplinar e sabia muito bem relacionar entre os vários campos do conhecimento, sendo eles científicos ou não, com as artes e tirava um bom proveito disso. É por esse aspecto que podemos começar a estabelecer relações de um novo meio artístico, no qual o criar é ser artista e técnico ao mesmo tempo; é trabalhar com aspectos poéticos de um lado e de outro. A necessidade de ser um exímio conhecedor de técnicas que – a princípio – não tem nenhuma relação com um fazer artístico. Todo meio e material possui suas leis e regras de trabalho chamadas de técnica. Chamamos a aplicação desses conhecimentos de tecnologia. Os trabalhos artísticos produzidos por meio das novas tecnologias, possuem um diferencial em relação com a arte tradicional : pedem uma especificidade técnica muito maior no momento da criação em virtude de que na maioria das vezes a ferramenta ou processo utilizado não fora concebido com aquela função. A arte de vanguarda possui a característica de experimentação e desvirtuação de funções, como acontece nas artes ligadas às novas tecnologias.

Voltando a fotografia, sabe-se que esta permaneceu a margem do circuito das artes durante muitas décadas, mesmo depois de ter colaborado – em parte – para um nova maneira de pintar – seja por meio de impressões ou de expressões. Embora decretada a pintura como morta, ela revigorou-se. Os novos meios não acabam com os antigos. No máximo, o que existe é um processo de transformação, como aconteceu sucessivamente com o cinema e a televisão, o rádio e a televisão e por último, com o jornal impresso e o virtual. Mas, hoje, um novo meio surge e com ele, uma nova arte que é rapidamente incorporada ao circuito oficial das artes, de maneira que impressiona quando comparamos com a lenta aceitação da fotografia.

 

Parte integrante da dissertação de mestrado "Web Arte no Brasil: algumas interfaces e poéticas no universo da rede Internet", realizada sob a orientação do Prof. Dr. Gilbertto Prado, na UNICAMP.
© Fábio Oliveira Nunes: entre em contato.

início