TopoImprimirEsta páginaOutra página







Livros
Artigos científicos
Artigos jornalísticos


 

Artigos científicos

Estão aqui listados e comentados os artigos presentes em periódicos de cunho científico (como revistas de programas de pós-graduação), artigos presentes em livros que trazem coletâneas de diferentes autores e, ainda, textos – em formato científico – disponíveis na rede Internet. Como grande parte desta pesquisa foi realizada no ano 2000, alguns links não estão disponíveis.

ANDERAOS, Ricardo
Texto da mostra de Web Arte do Evento Arte Tecnologia do Instituto Cultural Itaú
http://www.ici.org.br/ici/0997/weba_pe.htm (1997 - off-line)

Anderáos coloca a aura da obra de arte e a autenticidade, discutidas em "A Obra de Arte na Época de sua Reprodução Técnica" de Walter Benjamin, como elementos que finalmente desaparecem com a arte criada na Internet.

ASCOTT, Roy
Cultivando o hipercórtex
In: Domingues, Diana(org.) A arte no século XXI. São Paulo, 1997. Ed. Unesp.

As novas tecnologias desenvolvem mudanças no pensar contemporâneo. Novas percepções de mundo baseadas nas interfaces de computadores possibilitam novas leituras e novos objetos artísticos, onde a net é sem dúvida o meio preferido para a arte. Por fim, o autor relaciona arte com as conquistas da ciência atual.

BARROS, Anna
Arte: um tecido de luz
In: BARROS, Anna e SANTAELLA Lúcia (orgs.), Mídias e Artes – Os desafios da arte no início do século XXI. São Paulo: Unimarco Editora, 2002. p. 33-57.

A autora faz um percurso reflexivo sobre a presença da luz na produção artística, analisando a luz-representada (pintura) e a luz-fenômeno (a luz literal). Neste caminho, o primeiro elemento a ser investigado é a visão – alimentada por fótons – para se chegar na cor (um fenômeno da luz) e no uso da luz literal, como no cinema, no vídeo e nos novos meios.

BOSI, Alfredo
Considerações sobre o tempo e informação
In: Seminário “Internet, mente e sociedade”. São Paulo: IEA-USP, 1995. http://www.cidade.usp.br/textos/tempoinfo.html

O homem é um ser que existe no tempo. Desde que nasce, sabe-se que sua existência é efêmera, uma duração limitada. Daí, o homem moderno vive para poupar o tempo e para isso lança mão da tecnologia, desde o advento da revolução industrial.

COUCHOT, Edmond
Da representação à simulação: evolução das técnicas e das artes da figuração.
In: PARENTE, André (org.). Imagem Máquina. São Paulo: Ed.34,1993.

Couchot faz um interessante percurso evolutivo entre os meios - abordando perspectiva, fotografia, vídeo e a imagem digital - numa inevitável busca de controle sobre a produção da imagem.

DELEUZE, Gilles
Controle e Devir.
In: ________. Conversações. Coleção Trans. Rio de Janeiro: Editora 34, 1990.

Partindo das considerações das sociedades disciplinares de Foucalt, Deleuze estabelece o que seria a sua natural sucessora na contemporaneidade: a sociedade de controle.

DOMINGUES, Diana
A Humanização das tecnologias pela Arte
http://artecno.ucs.br/coordenacao/secxxi.htm (1997)

A importância da arte revelar aspectos humanos da tecnologia é o objetivo do texto e do livro homônimo da mesma autora. A arte contemporânea seja ela material ou imaterial, procura o seu papel de agente transformador da sociedade, perdendo o seu valor de culto mas ganhando poder de comunicação. Essa comunicação se dá a partir da arte interativa que sem suporte físico e viabilizada pelo computador, é comportamental.

DOMINGUES, Diana
As fronteiras dos territórios digitais
In: Imagem e Cultura Eletrônica. Trabalho apresentado no Seminário: "A Arte na Condição Contemporânea"- mesa: Novas Fronteiras Audiovisuais – UNICAMP, 1997.
http://artecno.ucs.br

A vida na era pós-biológica estabelece comunidades com nova visão que interagem muito mais por afinidade do que por proximidade geográfica. Caem as fronteiras e estabelecem territórios ou topografias móveis, mutáveis e possíveis de interação, através do computador - uma extensão da mente - segundo teorias de McLuhan.

DONATI, Luisa Angélica Paraguai
Análise Semiótica do Site Jodi
In: Revista da Pós Graduação, Instituto de Artes, Unicamp, Campinas, vol.1, n.2, pp.103-111, 1997.
http://www.cap.eca.usp.br/wawrwt/textos/donati1.html

Tendo por base a Semiótica de Pierce, Donati analisa o conhecido site Jodi. Por meio dos elementos semióticos são encontradas no site as idéias de ruptura, caos, apagamento e destruição do espaço, além de ser visível o trabalho com o repertório semântico daquele que se encontra no meio informático, por meio de imagens, linguagens e ações típicas de interfaces de computadores.

DONATI, Luisa Paraguai
PRADO, Gilbertto
Utilizações Artísticas de Imagens em direto na World Wide Web
In: Anais do I Encontro Internacional de Arte e Tecnologia, Universidade de Brasília, Instituto de Artes, Departamento de Artes Visuais, Brasil, pp.81-96, 1999.
http://www.cap.eca.usp.br/wawrwt/textos/donprado1.html

A World Wide Web possibilita, dentro das suas limitações técnicas, o uso de imagens simultâneas, diretas por meio de Webcams. A arte de Tele-Presença que possibilita a intervenção ou observação de participantes "em tempo real" pode acontecer em três situações distintas: a observação direta à espaços físicos remotos, o intercâmbio sincrônico de informação e a ação remota em distintos espaços físicos.

DUARTE, Fábio
Construindo democracias no território digital
In: Revista Comunicação e Educação, Nº 14, ano V, São Paulo, ECA-USP/Ed. Moderna, jan/abr 1999.
http://www.cap.eca.usp.br/wawrwt/textos/duarte1.html

Duarte discute as relações entre a noção - política e física - de território e o advento de territórios digitais na Internet, que são criados a partir de afinidades na maioria das vezes, destituídas de qualquer vínculo geográfico, controle político ou censura.

ENTLER, Ronaldo
O Caos e Teia: Potenciais Revelados na Complexidade da Internet
In: RevistaTrilhas, Campinas, 6 (1):julho/dezembro, 1997.

Tendo em vista estabelecer relações entre a Teoria do Caos e a Internet, este artigo aponta para a nova complexidade de organização da informação existente na Internet, estabelecendo os possíveis modos de percurso dentro da rede: linear, heurístico e lúdico.

FRANCO, Edgar Silveira
Hqtrônicas: As histórias em quadrinhos na rede Internet
In: CADERNOS DA PÓS-GRADUAÇÃO. Vol.4, n.1. Campinas: Instituto de Artes/Unicamp, 2000.
http://www.cap.eca.usp.br/wawrwt/textos/franco1.html

Franco é um exímio pesquisador em histórias em quadrinhos na rede Internet. Este artigo é uma introdução aos seus estudos, onde apresenta alguns paradigmas desta produção, sua relação com a hipermídia e o surgimento de uma linguagem híbrida.

FREIRE, Cristina
Arte postal: Comunicação Marginal
In: _________. Poéticas do Processo – Arte Conceitual no Museu. São Paulo: Ed. Iluminuras/MAC-USP , 1999.

A arte postal foi um movimento antecessor da independência de circulação do trabalho artístico em relação ao circuito fechado das galerias e de seu caráter transnacional, quando abordamos a arte da rede Internet. A autora apresenta alguns trabalhos dos anos 70, de artistas como Clemente Padín, Julio Plaza e Regina Vater.

GARCIA dos Santos, Laymert
[Apresentação]
In: PANORAMA DA ARTE CINÉTICA E TECNOLOGIA NO BRASIL – Arte, ciência e tecnologia. 2001, Instituto Cultural Itaú, São Paulo.
http://www.ici.org.br/midiainterativa/artigo/laymertgarcia.pdf
(2001 - off-line)

Texto da palestra de Laymert Garcia - um dos mais importantes pensadores brasileiros - no contexto do evento "Panorama da arte cinética e tecnologia no Brasil", realizado no Itaú Cultural, São Paulo.

GOIFMAN, Kiko
Projetos pessoais e especulações sobre o tempo
In: BARROS, Anna e SANTAELLA Lúcia (orgs.), Mídias e Artes – Os desafios da arte no início do século XXI. São Paulo: Unimarco Editora, 2002.

O artista Kiko Goifman faz um percurso na sua produção poética, apresentando trabalhos como Valetes em Slow Motion, Aurora, Morte Densa e 33. Este último, é um dos seus trabalhos mais conhecidos, um documentário noir onde o artista busca sua mãe biológica.

HARAWAY, Donna
Um manifesto para os cyborgs: ciência, tecnologia e feminismo socialista na década de 80
In: HOLLANDA, Heloisa Buarque. Tendências e debates – O feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

O cyborg é uma criatura oriunda de um mundo pós-gênero onde a relação entre comando, comunicação, controle e inteligência determinam o indivíduo. É uma entidade híbrida, pensada como máquina e como organismo. Num certo sentido, ao realizamos tarefas e diálogos maquínicos somos todos cyborgs.

KAC, Eduardo
Eduardo Kac: Telepresença Problematiza a Visão
In: Cadernos da Pós-Graduação, Instituto de Artes, Unicamp, Campinas, ano1, vol.1, n.1, pp.7-12, 1997.
http://www.cap.eca.usp.br/wawrwt/textos/kac1.html

Em entrevista a Simone Ostroff, Kac coloca o seu trabalho destituído de uma ligação com uma técnica pré-definida: "A técnica não interessa em si mesma". Estabelece conceitos sobre a arte tradicional, as inserções desta nas redes digitais e a contribuição da arte eletrônica para as "belas-artes".

KERCKHOVE, Derrick de
A Realidade Virtual pode mudar a vida?
In: DOMINGUES, Diana (org.) A arte no século XXI. São Paulo: Ed. Unesp, 1997.

Breve texto sobre a inserção da realidade virtual no nosso cotidiano e o advento de uma nova sensibilidade.

KERCKHOVE, Derrick de
O Senso Comum, antigo e novo
In: PARENTE, André (org.). Imagem Máquina. São Paulo: Ed.34,1993.

Kerckhove coloca as "redes neurais" como uma nova ordem da consciência humana, antecedida diretamente da cultura ocidental “de recorte e recombinação” onde “a lógica ocidental é sinônimo de uma boa divisão”. Essa lógica se inicia a partir da existência do senso comum – um nível de reciprocidade sensorial em que os signos viram significação – que se otimiza com o alfabeto que se torna base comum para todo e qualquer sentido. A mesma lógica passa pelo código Morse até o advento do digital.

KUHN, Fernando
Rumo à Quarta Mídia: O Rádio nas Ondas da Internet
Cadernos da Pós Graduação/Unicamp, Campinas, 1997. Ano I Vol. 1 nº2.

Desvinculadas de concessões do Estado, de caráter mundial e com possibilidades de interatividade, surgem as emissoras de rádio na Internet. A maioria delas são versões on-line de emissoras já existentes em AM, FM ou Ondas Curtas. Tal fato abre possibilidades de convergências das mídias sonoras e impressas na rede.

LEMOS, André L.M.
Arte eletrônica e cibercultura
Revista da FAMECOS, n.6, "Tecnologias do Imaginário", PUC-RGS, Porto Alegre, maio 1997
http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/arte.html

A cibercultura estabelece novos conceitos das artes contemporâneas: diferentemente do cinema, da fotografia e mesmo, da televisão, com o digital, a arte deixa de necessitar de um objeto referencial real e o que era representação, torna-se simulação da realidade. Neste artigo, o autor questiona os conceitos de virtualização como sinônimos de potencialização e a arte eletrônica híbrida onde é muito menos importante o produto final do que o processo de criação, que poderá ser coletivo.

MACHADO, Arlindo
Hipermídia: o labirinto como metáfora
In: In: DOMINGUES, Diana (org.) A arte no século XXI. São Paulo: Ed. Unesp, 1997.

Elucidativo texto sobre a questão da interatividade na hipermídia, trazendo ainda, a idéia da metáfora do labirinto nos percursos exploratórios de estrutura intrincada e descentralizada.

MACHADO, Arlindo
Corpos e mentes em expansão
In:_________. O Quarto Iconoclasmo (e outros ensaios hereges). Rio de Janeiro: Contracapa, 2001.
http://www.ekac.org/corposementes.html

No contexto da revolução biolítica, está o trabalho do artista Eduardo Kac que, em sintonia com a produção de artistas como Stelarc e Orlan, a partir de seu trabalho “Time Capsule” traz a tona questões éticas, biológicas e tecnológicas. Machado, neste texto, faz um ótimo relato crítico sobre a produção de Kac.

MELLO, Christine.
[Texto da curadoria Núcleo Net Arte Brasil]
In: 25ª BIENAL DE SÃO PAULO – Iconografias Metropolitanas. 2002, Fundação Bienal, São Paulo.
http://www.bienalsaopaulo.org.br

Neste texto, a curadora do núcleo Net Arte Brasil da 25ª Bienal de São Paulo estabelece o fio condutor entre os trabalhos escolhidos para a exposição.


© Fábio Oliveira Nunes: entre em contato.

início