NÓISGRANDE

Revista digital-objeto · 2006

Revista organizada por Fabio FON, NÓISGRANDE reuniu criações em poesia digital de artistas e poetas em uma noz-receptáculo. O título é uma menção poética a importante grupo da poesia concreta brasileira, Noigandres.

SOMENTE MICROSOFT WINDOWS
Baixe o arquivo .ZIP em seu computador. Para abrir NÓISGRANDE acesse INICIAR.EXE.

Nos anos 50, Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Décio Pignatari, formaram um grupo denominado Noigandres, apresentando o que seria uma nova prática poética – a concreta. O nome, retirado do Canto XX dos Cantares de Ezra Pound, no qual o poeta americano fazia referência ao poeta provençal Arnaut Daniel, além de instigar a uma busca de significados – trata-se um verdadeiro enigma – indica o universo de autores como Mallarmé, Joyce entre outros, que viria a alimentar a produção concreta. Do nome do grupo, surgiria também a revista Noigandres, produção seminal das idéias dos irmãos Campos e Pignatari, onde se presenciou em 1958, o famoso Plano Piloto da Poesia Concreta, onde se declara a poesia concreta como um resultado de “uma evolução crítica das formas”.

Em 2006, passados quase 50 anos, alimentando-se do importante legado concretista, Fabio FON (Fábio Oliveira Nunes) organiza a revista digital-objeto NÓISGRANDE, reunindo dez artistas e poetas e lançada no dia 07 de abril daquele ano na Casa das Rosas, localizada no número 37 da Avenida Paulista, em São Paulo.

NÓISGRANDE foi uma revista literária com particularidades: seria antes de tudo, um objeto de arte (com limitada tiragem de 70 unidades). Sob a forma de uma noz, produzido em resina acrílica transparente, cada objeto possuía em seu interior, um CD-ROM com os trabalhos desenvolvidos em softwares de hipermídia.  Ou seja, reúne linguagens e suportes num produto híbrido em sua essência. Esse hibridismo de linguagens é também herdado de antecessores mais recentes como a produção independente da Nomuque Edições. A Nomuque é responsável, desde os anos 1970, por publicações de baixa tiragem em suportes inusitados: a revista Artéria – o carro-chefe dos editores Omar Khouri e Paulo Miranda – já foi desde uma caixa de fósforos a uma sacolinha de poemas. Nesta revista digital-objeto, ambos editores são convidados especiais e participam com trabalhos trazidos para o meio digital. Além de Khouri e Miranda, a revista recebeu contribuições de nomes emergentes como Daniele Gomes, poeta visual, Diniz Gonçalves Júnior, poeta, Edgar Franco, artista multimídia, Josiel Vieira, escritor e artista plástico, Letícia Tonon, poeta e artista plástica, Peter de Brito, fotógrafo e Vivian Puxian, artista plástica. A revista possuiu ainda texto de apresentação de Giuliano Tosin. Fabio FON é organizador e também participante da revista.

TEXTO DE APRESENTAÇÃO DA REVISTA POR GIULIANO TOSIN

Noigandres, eh noigandres / Now what the DEFFIL can that mean! O enigma continua. Nem mesmo todo o “olor contra o tédio” do mundo dá conta de desvendar a incógnita citada no vigésimo canto de Pound, inspiradora dos concretistas e revisitada aqui, num bem-humorado trocadilho, por essa revista digital-objeto. Encoberta sob a forma enigmática de uma noz, casulo de uma larva que carrega seus genes em bytes, a revista revela o momento evolutivo das iniciativas independentes de produção, aquelas geradas e gerenciadas pelos próprios artistas. Lembra a trajetória de livros-objeto, livros de artista, poemas-objeto e outras experiências do gênero, e entra na fila das prováveis raridades, peças de exposição e pesquisa nas próximas décadas. Por tratar-se em parte de uma mídia reprodutível domesticamente, pertence também ao processo que suas vísceras sejam disseminadas em gavetas e discos rígidos por aí. Esse universo numa casca de noz conduz aos tempos imaginários de uma nova geração – “é nóis na fita”, mais precisamente oito jovens que têm sido cada vez mais percebidos no panorama das artes digitais. Contam com a aliança dos históricos lutadores Nomuque, e criam um conjunto onde fotos, games, poesia visual, desenhos, HQs, design e outros, são filtrados por um único software condutor da sinergia na qual a criatividade dos artistas transcende os limites conceituais das especificidades artísticas. Do contemplativo ao interativo, do intelectual ao sensório, NÓISGRANDE oferece percursos para nos aprofundarmos nos enigmas propostos pelas poéticas emergentes.

CONHEÇA TAMBÉM