Logo
Fabio FON, um dos palestrantes da
Campus Party Brasil 2012.
Foto: Evilyn Guedes/Campus Party.
E-mails
fabiofon@gmail.com
fabiofon@hotmail.com

FÁBIO OLIVEIRA NUNES é artista multimídia, designer digital e pesquisador em artes, atuando entre outras áreas, nos estudos de hipermídia, web arte, arte mídia e poéticas da visualidade.

É Doutor em Artes na Escola de Comunicações e Artes da USP, Pós-Doutor em Artes no Instituto de Artes da UNESP, Mestre em Multimeios (Multimídia) na UNICAMP e Bacharel em Artes Plásticas na UNESP
.

TRAJETÓRIA

Desde 1998, Fábio Oliveira Nunes (ou Fabio FON) desenvolve experimentações em computação gráfica e web arte, em projetos comerciais e de arte. Em 1998, produziu o site Busarte, um repositório de experimentações artísticas para a web; em 1999, elaborou o site ONOS, onde utilizando a Tecnologia Flash, simula um sistema operacional com licenças poéticas e ruídos de informação; entre 1999 e 2004, trabalhou em interfaces unicamente sonoras em diversas versões dos trabalhos Casa Escura e Cabra Cega.

No decorrer de 2000 conclui o Bacharelado em Artes Plásticas no Instituto de Artes da UNESP (Universidade Estadual Paulista), em São Paulo, tendo como trabalho de conclusão, “Web Arte no Brasil: A arte telemática criada por artistas brasileiros para a Internet”.

Em 2002, escreve diversos artigos relacionados com a pesquisa “Web Arte no Brasil” em publicações da UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas), Faculdade Cásper Líbero e outros espaços. Neste mesmo ano, passa a lecionar Computação Gráfica nas Faculdades Integradas de Guarulhos (SP).

Em 2003, passa a fazer parte do grupo Poéticas Digitais da Escola de Comunicações e Artes da USP. Neste ano, produz o Artéria 8, em co-organização com o poeta Omar Khouri, web site de poesia digital, com a participação de cerca de quarenta artistas e poetas de diversos meios. Ainda em 2003, defende dissertação com o tema "Web Arte no Brasil: Algumas poéticas e interfaces no universo da rede Internet", onde discute a produção brasileira de arte para a rede Internet, no Instituto de Artes da UNICAMP.

No ano de 2004, inicia sua pesquisa em nível de Doutorado na ECA-USP, pesquisando a arte crítica dos novos meios. Neste mesmo ano, leciona no Instituto de Artes da UNESP.

Em 2006, produz a revista digital-objeto NÓISGRANDE, lançada na Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de poesia e literatura, em abril. No mesmo ano, é colaborador do site Cronópios - Literatura & Arte no Plural, na seção Internet.

Em 2007, conclui sua pesquisa de Doutorado na ECA-USP sob o título "CTRL+ART+DEL: contexto, arte e tecnologia" em 10 de dezembro. Realiza também, com a artista Soraya Braz, os trabalhos Roaming e Grampo, apresentados respectivamente no II Mobilefest (SESC Av. Paulista) e na Exposição 27 Formas (Paço das Artes), ambos em São Paulo. Estes trabalhos apropriam-se de sensores de radiação eletromagnética presentes em penduricalhos para telefones celulares.

Em 2008, participa da Campus Party Brasil, considerado o maior evento de Internet e tecnologia do mundo, juntamente com a artista Soraya Braz, expondo e discutindo os trabalhos Grampo e Roaming no Campus Futuro/Mobilefest. O evento contou com a visitação de mais de 50.000 pessoas. No mesmo ano, participa do FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (Centro Cultural FIESP), em São Paulo, apresentando os trabalhos Roaming e Freakpedia (realizado com Edgar Franco).

Em 2009, passa a integrar o corpo docente do Departamento de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), enquanto professor adjunto da área de Artes Visuais e Tecnologia Digital.

Em 2010, lança o livro "CTRL+ART+DEL: Distúrbios em arte e tecnologia", através da Editora Perspectiva e FAPESP. O livro traz questões recorrentes na produção de arte tecnológica e reflexões sobre experimentações artísticas de FON. No mesmo ano, o trabalho Captas (realizado com Soraya Braz) é apresentado na Mostra SESC de Artes - São Paulo. Antes disso, Captas foi também apresentado no Mobilefest, no MIS-SP, e também em outras exposições de arte e tecnologia em Brasília, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul. Ainda em 2010, Fabio FON lança o projeto interinstitucional 10 Dimensões: Diálogos em Rede, Corpo, Arte e Tecnologia (UFRN-UFPB-IFRN-FAPERN), sob sua coordenação. Em dez diferentes encontros mensais, o projeto apresentou discussões e trabalhos em arte, ciência e tecnologia com a presença de pesquisadores de diferentes regiões do país, em Natal (RN) e João Pessoa (PB).

Em 2011, participa do FILE Porto Alegre e FILE São Paulo, este último com o trabalho Via Invisível. Retorna a São Paulo, deixando o seu cargo de professor da UFRN e integrando-se ao Grupo de Pesquisa cAt: Ciência, ARTE e Tecnologia, equipe sob a coordenação do Prof. Dr. Milton Sogabe (UNESP). Participa da Mostra Paradas em Movimento: Videopoéticas no Centro Cultural São Paulo, sob a curadoria de Elson Fróes, com os videopoemas Revolátil e Poemaparte II.

Em 2012, inicia pesquisa em pós-doutorado no Instituto de Artes da UNESP, em São Paulo, com o apoio da FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, sob o tema "Mimetismo: Estratégia relacional em Arte e Tecnologia". Neste mesmo ano, participa como palestrante em um dos mais importantes eventos tecnlógicos do país: a quinta edição da Campus Party Brasil, em São Paulo. Participa em Faro (Portugal) do ARTECH 2012 - International Conference on Digital Arts.

Em 2013, como integrante da comissão organizadora participa da concepção e produção do 4º Encontro Internacional de Grupos de Pesquisa: convergências entre arte, ciência e tecnologia & realidades mistas, evento que reuniu pesquisadores de diferentes países como Colômbia, China, Coréia do Sul, África do Sul e Brasil, no Instituto de Artes da UNESP, em São Paulo. Participa em Lisboa (Portugal) do CSO - Congresso Criadores Sobre Outras obras. O livro "CTRL+ART+DEL: Distúrbios em Arte e Tecnologia" é indicado como um dos referenciais bibliográficos para professores de artes do ensino público estadual de São Paulo, entre outros títulos que que "fundamentam e orientam a organização de exames, concursos e processos seletivos" para educadores de todo o estado.

Em 2014, lança a revista experimental Alteria, publicação que reúne diferentes faturas visuais de criadores sob um estado de alteridade: todos são pseudônimos, alteregos ou personas. Seu pós-doutorado é concluído neste ano. Ainda em 2014 faz parte da equipe de reformulação de conteúdos e proposições das Orientações Curriculares e Didáticas de Arte para a 3ª série do Ensino Médio de Escolas Estaduais de São Paulo.

Em 2015, conjuntamente com a artista Soraya Braz, desenvolve o Projeto Tractos, série de ações em regiões limítrofes da Região Metropolitana de São Paulo com o objetivo de criar mapas tátil-sonoro-interativos em colaboração com os viventes destas regiões. O projeto é apoiado pelo Programa de Ação Cultural da Secretaria Estadual da Cultura de São Paulo.  No primeiro semestre deste ano participa do ARTECH 2015 - 7th International Conference on Digital Arts em Óbidos (Portugal) como comunicador. Ainda neste ano, é curador da mostra WebArte.BR: Experiências artísticas brasileiras na Internet, organizada pelo SESC São Paulo.